Caminhando pelas ruas de Veneza, dei de cara com o famigerado peixe-balão, esses monstrinhos cheio de espículas pelo corpo todo (alguns não tem espículas) e com uma carinha algo cômica e inocente, mas é um dos peixes mais mortíferos do mundo!

Quando encurralado, o peixe-balão fica irritado e engole água e vai inchando, o que provoca o aspecto de bola, isso acontece na tentativa de defesa, para intimidar o agressor. Ainda bem que este da fotografia acima, estava “empalhado” pois não tenho curiosidade alguma em ver um peixe-balão vivo na minha frente e muito menos experimentar o fugu, a famosa iguaria preparada com sua carne.

Esse peixinho com ar de coitadinho tem o corpo todo minado com uma substância tóxica chamada tetradotoxina e que ao ser ingerida, mesmo em pequeninas doses, pode provocar paralisia, dificuldade respiratória e morte.

Nalguns restaurantes, principalmente no Japão, esse peixe é muito apreciado e é necessário autorização para poder prepará-lo, pois se mal limpo, pode envenenar e matar pessoas. Por ser uma iguaria rara, dizem que o preço é exorbitante!
Os grandes Chefs que me desculpem! mas nunca provaria um petisco desse! Não por desconfiar da vossa perícia, mas fico enjoada em imaginar o peixe auto insuflando-se, pois lembra-me em criança de ver um sapo inchando até rebentar e não foi uma boa experiência e com o agravante do veneno e da falta de antídoto, o melhor mesmo é distância.

Deixo aqui uma questão para meus os leitores…
Qual a moral da história?

tagged in Peixe-balão