A samarra é um belíssimo casaco português típico da região onde vivo, Ribatejo.

Confeccionada em lã grossa e gola em pêlo de raposa era usada antigamente pelos pastores durante as épocas mais frias.
Hoje a Samarra é conhecida em todo Portugal e tal e qual o capote alentejano atravessou as fronteiras e migrou para diversas partes do mundo.
Tanto para homens como para mulheres o modelo é igual, mudando apenas a posição dos botões, que são em número de cinco. As cores mais usuais são o cinza, preto, azul escuro, castanho e verde garrafa.

Antes eu pensava que a samarra era somente usada em ambientes campestres, mas não! isso não quer dizer que se deva ir a um baile de gala com ela, mas podemos vesti-la para sair à noite nos dias mais duros. Vesti a minha samarra em pleno mês de Dezembro, inverno em Paris e senti-me confortavelmente bem, pois ela é super quentinha, atual e acho que tem bastante estilo. Fui jantar em um restaurante fino mas poderia usá-la também para ir à Ópera. Fica super bem com botas de cano longo e saia e pude ouvir disfarçadamente um ou outro comentário positivo em relação à mesma.

É lógico que em Feiras de Cavalo, tipo a da Golegã, fica a matar de lindo e tem tudo a ver com o ambiente envolvente.

Entre a samarra ribatejana e o capote alentejano, escolho em primeiro… o último, pois sendo uma capa aberta, o capote disfarça mais as gordurinhas extras 😉

Veja também aqui tudo sobre o capote alentejano

A samarra antigamente era traje dos pastores ribatejanos

A samarra antigamente era traje dos pastores ribatejanos


Aqui minha samarra na cor cinza. Para compor o look usei saia em pele branca, blusa preta com detalhe  e jabot  em renda branca

Aqui minha samarra na cor cinza. Para compor o look usei saia em pele branca, blusa preta com detalhe e jabot em renda branca


Detalhe, gola da samarra

Detalhe, gola da samarra