Se tem uma coisa que me deixa animada, é visitar “velharias”! aquelas casas atafulhadas de móveis e objetos antigos, que é um convite irrecusável para caçadores de tesouros, assim que nem eu, que vibram com a mais remota possibilidade de encontrar peças raras! objetos que ficaram desprezados anos a fio, servindo de suporte para as teias das habilidosas aranhas.  Quando falo em peças raras, não me refiro propriamente ao preço e sim na possibilidade de recriá-las gastando o mínimo possível. É lógico que, se tivermos a sorte de encontrar algo muito antigo e que aparente ter bom valor comercial, então devemos ponderar sobre a possibilidade de restaurá-lo mantendo as características originais e tentar identificar o seu real valor junto a pessoal qualificado.

Em Portugal existe muitos antiquários e também muitas velharias e são destas últimas de que mais gosto, pois o que eu procuro, é a sensação do prazer em descobrir objetos preciosos e depois restaurá-los, às vezes modificando-os e dando-lhes uma cara nova. Para encontrar alguma coisa de jeito, é preciso ter muita paciência para “garimpar”, inspeccionar, não ter medo de aranhas e não se importar de sujar as mãos com o pó acumulado nas peças.

O móvel que mostro nas fotos abaixo, estava em um canto, abandonado e clamando por socorro, mas ainda em um estado de conservação razoável! O bom é que quase todas as peças mais antigas eram feitas de boa madeira , maciça, daí aguentarem mais tempo. Assim que encontrei esse roupeiro, ele foi diretamente para o meu atelier para ser tratado.

Já no atelier, preparei-me para a tarefa mais árdua: passar a lixa para remover o verniz ou cera antiga. Eu ainda faço isso manualmente, não consigo trabalhar com lixas elétricas, mas se você tiver alguém na família com tempo e boa disposição, pode imcubi-lo desta tarefa. Depois do móvel todo limpo, vamos para a segunda fase: escolher a cor base da tinta e outro tom de que goste para fazer o contraste realçando alguns pontos do móvel. No caso do armário abaixo escolhi o beje mate para o fundo e turquesa para os detalhes.

A tarefa seguinte é mais fácil, pintar todo o móvel com a cor base  e aplicar uma cor diferente nos detalhes pois enriquece mais, depois deixá-lo secar muito bem! Imprimir um desenho, a combinar com a decoração do espaço onde ficará o móvel, e colar onde lhe parecer mais harmonioso. Depois de tudo bem seco, colar folha de ouro nos frisos com mordente, a seguir  aplicar um verniz craquelê sobre a gravura para dar aquele ar estalado e antigo e por último espalhar suavemente o betume judaico manchando o beje, para dar efeito patinado, não esquecendo dos cantinhos dos frisos. Finalmente passar verniz sem brilho em todo móvel para impermeabilizar.

Pronto! Você ficará com um roupeiro novo com ar antigo e romântico, por um preço bastante acessível! Uma bela peça vintage.

Gostaram? Se tiverem alguma questão, perguntem!

Beijinhos!

Roupeiro vintage

Roupeiro vintage

Efeito patinado no meu roupeiro vintage

Efeito patinado no meu roupeiro vintage

Os azuis turquesa do roupeiro vintage combinando com a  cor da parede

Os azuis turquesa do roupeiro vintage combinando com a cor da parede

O móvel ainda nas velharias

O móvel ainda nas velharias